Ato de filiação de Gilvaldo no PCdoB com Manuela, Luciana e Jandira

Luciana, Mauela, Givaldo e Jandira em Vitória-ES

Com um visual em alusão ao aniversário do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) que fará 96 anos de fundação no dia 25 de março, o ato de filiação do deputado federal (ES) Givaldo Vieira no PCdoB ocorreu com muita festa na noite desta sexta-feira (16) na capital do Espírito Santo, Vitória. O ato contou com a presença das lideranças nacionais comunistas como da pré-candidata do PCdoB à presidência da República, Manuela D’Ávila, da presidenta nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos e a deputada federal Jandira Feghali, do Rio de Janeiro, entre outros dirigentes e a militância capixaba.

 

O ato político contou ainda com a participação do ex-governador do estado, Renato Casagrande (PSB) e do prefeito de Vila Velha, Max Filho (de saída do PSDB), e também do prefeito de Baixo Guandu, Neto Barros (PCdoB) e o prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), que passou pelo ato.
O deputado federal Givaldo Vieira, que deixou o PT depois de 29 anos para se filiar ao PCdoB, teve sua candidatura à releição lançada pela presidenciável do partido, Manuela D’Ávila.
A presidenciável condenou o golpe e a política de retrocesso do governo golpista em todos os níveis. Givaldo, Manuela e as demais lideranças presentes ao evento criticaram a dominação do grupo do governador do estado, o emedebista Paulo Hartung, dizendo que “chegou a hora de uma nova política no Estado”.
Manuela D’Ávila exaltou a trajetória política de Givaldo e disse que as “suas lutas são as mesmas do PCdoB”. 
Defendeu ainda o direitos das mulheres e justificou ser pré-candidata para “representar um projeto de desenvolvimento que responda ao que o golpe representa para o Brasil, com retomada do crescimento econômico, fortalecimento da indústria nacional e garantia de direitos sociais”. E defendeu o direito de o ex-presidente Lula de candidatar-se à Presidência da República.
A pré-candidata sustenta ainda, um referendo revogatório para reverter leis aprovadas pelo Governo Temer, como a reforma trabalhista e a entrega do pré-sal às multinacionais.
No início de sua fala, Givaldo falou da alegria em se filiar ao partido. Ele chamou o cacique Toninho, representante dos povos indígenas, para um momento de oração, que foi feita na língua Guarani.
 Givaldo falou das caravanas, de norte a sul do Estado, citando sindicalistas, jovens, mulheres, lavradores, professores, sindicalistas e destacou: “Aqui não tem gente que é mandada para aplaudir. Eles vieram para me dar um abraço e dizer que a minha decisão foi acertada”, destacou.
“Acabou o tempo da unanimidade”, clamou o prefeito comunista Neto Barros, numa referência ao governado de Hartung, para criticar em seguida os gastos de propaganda oficial.
O “Ato Cultural e Político em Defesa da Democracia” continuou com muita festa, música ao vivo e animação que reuniu militantes do partido e de outras siglas.
Sobre a filiação do deputado, o PCdoB no estado escreveu a seguinte nota:

“No mês em que comemora seus 96 anos de história, o PCdoB se orgulha de filiar o deputado Federal Givaldo Vieira. Junto com ele, muitos outros e outras militantes se integram ao Partido, somando forças com nossa histórica e aguerrida militância, responsável por nossa gloriosa trajetória. Parabéns a todas e todos.

#FirmesNaLuta
#Manuela2018. #MarielleViveEmNossaLuta
Até a vitória sempre!!!”

Assista o vídeo do ato de filiação: