Altamiro Borges: Veja revela gastos de R$ 5 mi na Lava-Jato

Até a revista Veja, uma das principais responsáveis por acobertar as atrocidades da Lava-Jato, parece que já rifou o juizeco Sergio Moro, ex-herói dos falsos moralistas e ex-miliciano de Jair Bolsonaro, e os procuradores-jagunços da midiática operação. Na edição desta semana, ela estampa no título: “Diárias e passagens da Lava-Jato custaram mais de R$ 5 milhões”.

Por Altamiro Borges*

Segundo a matéria, “levantamento exclusivo dos gastos com passagens aéreas e pagamento de diárias a procuradores da Lava-Jato obtido por Veja mostra que as forças-tarefas da operação em cinco cidades custaram aos cofres públicos R$ 5,34 milhões… Apenas o desembolso de gratificações, pagas pelo exercício cumulativo de funções, chegou a R$ 2,98 milhões entre 2014 e 2020”.

TCU apura “deslizes administrativos”

Esses montantes absurdos, somados às conversas indecorosas dos jagunços da República de Curitiba que foram hackeadas, serão usados agora pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para apurar se a operação “cometeu deslizes administrativos ou utilizou de forma irregular dinheiro público para o custeio do dia a dia das investigações”.

A Veja também teve acesso às mensagens hackeadas que podem, “no limite, enquadrar os procuradores em acusações de mau uso do dinheiro público e peculato. Uma conversa específica, de 7 de dezembro de 2017, foi interpretada por integrantes do TCU como um indício de que viagens a trabalho podem ter sido usadas como pretexto o uso ilícito de dinheiro do contribuinte”.

“Quanto mais gastarmos agora, melhor”, diz Dallagnol

No troca de mensagens, o sinistro Deltan Dallagnol é informado sobre um saldo de R$ 108.000 disponível para o uso de diárias e passagens. “Na sequência, ele estimula cinco colegas, os procuradores Carlos Fernando Lima, Orlando Martello, Januário Paludo, Antônio Welter e Isabel Groba, a ‘indicarem’ voos para o uso dos valores e conclui: ‘quanto mais gastarmos agora, melhor’”.

Ao todo, os cinco comparsas de Deltan Dallagnol, o famoso “procurador do power point”, receberam pouco mais de R$ 2 milhões em pagamento de diárias ao longo da Lava-Jato. “Desde as primeiras reuniões para definir as primeiras fases da operação, Carlos Fernando recebeu 361.716,50 reais em diárias; Antônio Carlos Welter, 506.238,65 reais; Isabel Groba embolsou 332.095,82 reais em diárias de trabalho; Januário Paludo, 391.067,40 reais; e Orlando Martello, outros 461.460,14 reais”.

“Em outro diálogo hackeado pode embasar a ofensiva contra os procuradores, de 7 de novembro de 2016, Dallagnol informa que fará uma palestra de combate à corrupção no exterior e que terá as passagens e a hospedagem pagas pelo patrocinador do evento. Em seguida, dá orientações para que seja elaborado um ofício com um pedido de pagamento de diárias para ele e diz: ‘mande para ver se consigo uns trocados, o que não é fácil com eventos não programados’”.

Bloqueio de bens do chefete da operação

A revista lavajatista até tenta minimizar as espertezas dos embasbacados de Curitiba, mas reconhece que a situação deles é bem complicada. Segundo afirma, o objetivo da investigação “é usar eventuais provas encontradas nas mensagens para determinar o bloqueio de bens do então chefe da força-tarefa da Lava-Jato, Deltan Dallagnol, e de outros procuradores que atuaram no caso”.

A Veja até publica uma nota de esclarecimento da desgastada operação. Ela afirma que “a suposta frase atribuída ao procurador Deltan Dallagnol (‘quanto mais gastarmos agora, melhor’), se verdadeira e ocorrida da forma como transcrita, não revela qualquer ilegalidade ou impropriedade’”. Por convicções e provas, o ex-valentão do powerpoint está tremendo de medo!

__
Altamiro Borges* é jornalista e presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e membro do Comitê Central do PCdoB.

 

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB