Altamiro Borges: Hacker fascista ataca Manuela, Boulos e Gleisi

O “gabinete do ódio se espraiou por toda a estrutura do governo federal. Nesta terça-feira (20), Manuela D’Ávila (PCdoB) relatou ter descoberto que consta como “morta” no seu cadastro do Sistema Único de Saúde. Antes dela, Gleisi Hoffmann (PT) e Guilherme Boulos (PSOL) também denunciaram adulterações em seus registros digitais no SUS.

Por Altamiro Borges*

Candidata à prefeitura de Porto Alegre no ano passado, a jovem comunista descobriu a provocação fascista quando foi se vacinar contra a Covid-19 na capital gaúcha. Manuela D’Ávila postou uma foto de sua página no SUS no qual aparece logo abaixo do seu nome uma “data de óbito”: 14 de outubro de 2018.

“Eles me mataram depois do primeiro turno”

“No dia em que fui me vacinar, fiquei algumas horas na fila, emocionada. Quando foram preencher meu cadastro, não encontraram meus dados. Imaginei que podia ser algo relacionado a legislação sobre figuras politicamente expostas. Pois bem, aí está: eles [hackers] me mataram depois do primeiro turno da eleição de 2018 [vice de Fernando Haddad, do PT]”.

Sem perder o humor, Manuel D’Ávila ainda ironizou: “Tenho uma notícia para dar: estou vivinha da silva e na luta, apesar das ameaças permanentes que fazem. Vamos ver o Brasil feliz novamente”. A aguerrida comunista também anunciou que ingressará na Justiça para corrigir seu cadastro e para investigar e punir os provocadores fascistas.

“Sobre a alteração do meu cadastro no Ministério da Saúde: ingressarei com ação judicial para que seja corrigida a minha inscrição no SUS. Além disso, espero que seja responsabilizada a pessoa que praticou o crime de adulteração. Para tanto, estamos estudando medidas cabíveis”, postou em suas redes sociais.

Ninguém está a salvo do gabinete do ódio

Um dia antes, Guilherme Boulos (PSOL), que disputou a prefeitura de São Paulo em 2020 e a presidência da República em 2018, também soube que seu cadastro no Cartão Nacional de Saúde sofreu ataques. O jovem líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) e seus pais foram xingados e caluniados.

“Descobri que meus dados cadastrais no SUS foram alterados ilegalmente. Além de não registrarem a primeira dose da vacina contra a Covid-19, recebida há uma semana, dados como o nome dos meus pais foram alterados por ofensas e xingamentos grosseiros. É lamentável que nem mesmo o SUS esteja a salvo do gabinete do ódio”, protestou em nota.

Cobrar apuração do Ministério da Saúde

As adulterações dos cadastros de Manuela D’Ávila e Guilherme Boulos foram identificadas uma semana após a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, ter denunciado alterações no seu registro. A deputada paranaense também apareceu como “morta” e nem pode se vacinar. No cadastro, ela ainda recebeu o apelido de “Bolsonaro” após seu nome completo.

Dias depois, ela debochou do ataque fascista. “ReSUScitei no cadastro do SUS. Agora estou bem viva, meu CNS [Cartão Nacional de Saúde] foi corrigido. Quero agradecer o empenho e atenção do pessoal do Centro de Saúde n° 5, Lago Sul, em Brasília, que se dedicou para corrigir. Vamos cobrar e acompanhar as investigações do Ministério da Saúde”, tuitou.

__
*Jornalista e presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e membro do Comitê Central do PCdoB.

 

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB