Altamiro Borges: “Capitã Cloroquina” tem familiares com Covid

Da trágica série “A vida é irônica e cruel”. Apelidada de “Capitã Cloroquina”, a médica Mayra Pinheiro parece abalada com o avanço da pandemia da Covid-19. Segundo notinha da revista Época, a direitista “teve cinco familiares afetados recentemente pela doença, incluindo uma tia que morreu da doença”.
Por Altamiro Borges*
Em postagem em uma rede social, ela relatou que pai, mãe, irmã, um tio e uma tia foram contaminados com a doença há cerca de um mês. E lamentou: “Perdemos precocemente a tia Silvia para o vírus. Para meus pais e meu tio, os dias foram longos e difíceis. Hoje meu tio saiu de alta”.
Pelas suas postagens, a situação do pai exigiu cuidados especiais. “Seguimos lutando para salvar meu pai, que ainda permanece sob cuidados de terapia intensiva”, contou em 18 de abril. No último sábado (24), ela informou que “lutava” para levar seu pai para casa.
A trajetória da oportunista
Como lembra a revista Época, Mayra Pinheiro “ficou conhecida como ‘Capitã Cloroquina’ por defender o uso do medicamento e do tratamento precoce, que não têm eficácia comprovada contra a Covid-19”. Ela mesmo pegou a doença em março e difundiu que sua cura foi graças ao Kit-Covid.
Apesar da recente queda do general Eduardo Pazuello, seu maior protetor, e da posse de Marcelo Queiroga, ela permanece no cargo de secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde. Na prática, nada mudou com a troca nessa pasta do laranjal bolsonariano. A cloroquina e a “capitã” seguem impunes.
Antes da pandemia, Mayra Pinheiro ficou famosa por vaiar profissionais cubanos que chegaram ao Ceará pelo programa “Mais Médicos” do governo Dilma Rousseff. Na sequência, em 2018, a oportunista tentou uma vaga de senadora pelo PSDB do Ceará, mas foi rejeitada pelas urnas. Já com o fascista Jair Bolsonaro, ela ganhou um carguinho no laranjal.
A morte de Levy Fidelix
Ainda da série “A vida é irônica e cruel”, vale registrar o falecimento, em 23 de abril, de Levy Fidelix, presidente nacional do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). Folclórico pela defesa do “aerotrem” em várias campanhas eleitorais, o velho político também difundia as loucuras do filósofo de orifícios Olavo de Carvalho e outras teses ultradireitistas e preconceituosas.
Na disputa por uma vaga na Câmara Federal em 2018, ele usou como slogan de campanha o lema dos integralistas – os fascistas dos anos 1930, também batizados de “galinhas verdes: “Deus, Pátria e Família”. Ele chegou a se reunir com as lideranças do neointegralismo. Além disso, Levy Fidelix cedeu o PRTB como legenda de aluguel para o general Hamilton Mourão, o vice de Jair Bolsonaro.
Em um dos últimos vídeos que postou nas suas redes sociais, ele criticou as medidas de isolamento social adotadas por governos estaduais, defendeu o chamado “tratamento precoce” e reforçou seu apoio ao fascista no governo. Faleceu vítima da Covid-19 após vários dias internado em São Paulo.

__
Altamiro Borges* é jornalista e presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e membro do Comitê Central do PCdoB.

 

As opiniões aqui expostas não refletem necessariamente a opinião do Portal PCdoB