Perpétua alerta sobre mortes de grávidas e pede sanção de projeto

Foto: reprodução

Mobilizada em defesa da vida contra a Covid-19, a deputada federal e vice-líder do PCdoB, Perpétua Almeida (AC), conseguiu que projeto de lei que afasta as grávidas do trabalho presencial durante a pandemia, de sua autoria, fosse aprovado na Câmara e no Senado. Agora, a luta é para que o presidente Jair Bolsonaro sancione a matéria.

“Em meio a tantas mortes, temos as grávidas. Nos primeiros seis meses de pandemia, de todas as grávidas que morreram no mundo, 77% eram brasileiras. Que triste recorde o Brasil alcançou. E essa situação só tem piorado”, explica Perpétua em vídeo divulgado em suas redes sociais nesta terça-feira (20).

Os dados, apontou a parlamentar, “nos dizem que no primeiro ano da pandemia, morreram 453 grávidas. Agora, até o dia 7 de abril, morreram 289. O Brasil caminha também para um genocídio entre grávidas e bebês. Este é o governo do presidente Bolsonaro, que não cuida do país”.

Com relação à tramitação do projeto e aos apoios que recebeu, Perpétua declarou: “Sou muito grata à Câmara, à Bancada Feminina, que encampou a nossa luta. Mais de 15 deputadas subscreveram comigo o projeto de lei. Câmara e Senado, nós já fizemos a nossa parte: aprovamos o projeto”. E fez um apelo: “Precisamos, agora, que o presidente Bolsonaro sancione esse projeto. É preciso salvar vidas”.

 

Confira o vídeo:

 

Leia também: PL de Perpétua que assegura teletrabalho para grávidas vai à sanção

Por Priscila Lobregatte