36,3 milhões de brasileiros estão no trabalho precário, diz IBGE

(Foto: Bruno Cecim/Agência Pará)

O trabalho informal, que inclui aqueles sem carteira assinada (empregados do setor privado ou trabalhadores domésticos), sem CNPJ (empregadores ou empregados por conta própria) ou trabalhadores sem remuneração, chegou a 36,3 milhões de pessoas no trimestre encerrado em julho, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta quinta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa passou para 40,8% contra a taxa foi de 39,8%, com 34,2 milhões de pessoas no trimestre anterior. Há um ano esse contingente era menor, 30,7 milhões e uma taxa de 37,4%, o menor patamar da série.

“Em um ano, o número de informais cresceu 5,6 milhões. O avanço da informalidade tem proporcionado a recuperação da ocupação da PNAD Contínua”, segundo Adriana Beringuy.

De acordo com a PNAD, a taxa de desocupação atingiu 13,7% no trimestre fechado em julho, uma redução de 1,0 ponto percentual em relação ao trimestre encerrado em abril. Mas ainda são 14,1 milhões de brasileiros na fila do desemprego, numa economia estagnada e com uma inflação explosiva.

Para os que trabalham, a renda cai. Segundo o IBGE, o rendimento médio real dos trabalhadores recuou 2,9% frente ao trimestre anterior e reduziu 8,8% em relação ao mesmo trimestre de 2020, ficando em R$ 2.508. A massa de rendimento real, que é soma de todos os rendimentos dos trabalhadores, ficou estável, atingindo R$ 218 bilhões.

De acordo com a pesquisa, os trabalhadores subocupados por insuficiência de horas trabalhadas, aqueles que trabalham menos horas do que poderiam trabalhar, chegou a um número recorde de 7,7 milhões de pessoas, um aumento de 7,2%, com mais 520 mil pessoas. Em relação ao ano anterior, o indicador subiu 34,0%, quando havia no país 5,8 milhões de pessoas subocupadas.

O trabalho por conta própria manteve a trajetória de crescimento e atingiu o patamar recorde de 25,2 milhões de pessoas, um aumento de 4,7%, com mais 1,1 milhão de pessoas. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o contingente avançou 3,8 milhões, alta de 17,6%.

Ao contrário do que vem afirmando o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre o crescimento do emprego formal no país durante a pandemia, o IBGE registrou o primeiro aumento no emprego com carteira assinada desde janeiro de 2020, na comparação anual. Um avanço de 3,5%, com mais 1,0 milhão de pessoas, totalizando 30,6 milhões no trimestre até julho. Na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, o contingente aumentou 4,2%, com mais 1,2 milhão de pessoas.

No início do ano passado, Guedes mudou os critérios de apuração do emprego formal através do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), incluindo bolsistas, temporários, agentes públicos e até dirigentes sindicais, o que é questionado por vários especialistas. O IBGE, além do emprego com carteira assinada, abrange o setor informal.