Comunistas debatem a sustentabilidade na agenda do PCdoB no século XXI

Foto: Felipe Redó

A Arena Manifesto do Festival Vermelho recebeu, no começo da tarde deste sábado (26), o debate “A sustentabilidade na agenda do PCdoB no século XXI”. Mediado pelo secretário estadual de Sustentabilidade do PCdoB-RJ, Theófilo Rodrigues, o debate trouxe o tema das mudanças climáticas com recorte classista para as atividades do centenário do Partido Comunista do Brasil.

A mesa expositora foi composta pelo Professor Eron Bezerra (UFAM), pela secretária executiva de Meio Ambiente do Governo do Estado de Pernambuco, Inamara Melo, e pela secretária municipal de Sustentabilidade do PCdoB carioca, Raísa Vieira. Em comum, os debatedores falaram da urgência da agenda ambiental e das mudanças climáticas, rechaçando a ideia de que se trata apenas de uma agenda de países desenvolvidos para evitar o crescimento de outras nações.

“A questão da emergência climática está na pauta do dia, e a gente precisa compreender os riscos da questão ambiental e das alterações do clima. Estamos distantes nesse debate e precisamos rever isso rapidamente. A emergência climática está entre os desafios da contemporaneidade, e não podemos deixar isso como algo secundário na luta política”, afirmou Inamara.

Da esquerda para a direita: Inamara Melo,Theófilo Rodrigues, Raísa Vieira e Eron Bezerra.l Foto: Divulgação

 

Para a secretária executiva do Meio Ambiente de Pernambuco, o socialismo que defendemos precisa abarcar “a luta de gênero, o combate ao racismo e a questão ambiental”. Para Inamara, “a agenda climática é necessária, e podemos usá-la a nosso favor na luta pelo socialismo”.

“O enfrentamento às mudanças climáticas exige necessariamente combate às desigualdades. Precisamos ter um Estado forte para sobrepujar a lógica do sistema capitalista. Não podemos imaginar que os capitalistas vão renunciar ao lucro em nome do bem-estar da humanidade”, defendeu.

A secretária municipal de Sustentabilidade do Rio de Janeiro, Raísa Vieira, lembrou que as maiores vítimas das mudanças ambientais são as mulheres e as pessoas pobres.

“As mudanças climáticas jogam esses segmentos em uma condição ainda maior de marginalidade. A sustentabilidade é uma pauta em disputa. Quem são as vítimas de todas as mudanças do clima? Os impactos não são absorvidos da mesma forma. Há um impacto muito grande sobre os mais pobres, os jovens e as mulheres”, afirmou.

Mediador do debate, Theófilo Rodrigues fez coro com os debatedores, propondo a criação de um coletivo nacional de sustentabilidade dentro do PCdoB e defendendo que o debate da sustentabilidade está ligado à luta de classes.

__

De Niterói, José Medeiros