Manuela D'Ávila: reforma trabalhista, ruim na Espanha, pior no Brasil

Foto: Richard Silva

A pré-candidata pelo PCdoB à Presidência da República, deputada Manuela D’Ávila, utilizou seu perfil no Facebook para desmontar o modelo de reforma trabalhista da Espanha sitado pelo presidente ilegítimo Michel Temer no início do ano. A Espanha vem tomando medidas de austeridade contra os trabalhadores e vem colhendo recordes de desemprego e rebaixamento de salário. A deputada explica o motivo pelo qual vem defendendo um referendo revogatório sobre as medidas descabidas do governo ilegítimo de Temer.

Segue abaixo a crítica da candidata:

“REFORMA TRABALHISTA: por que defendemos referendo revogatório?

Quando a reforma foi aprovada, o desemprego na Espanha estava em 22%. Logo depois que a reforma foi aprovada, em quatro meses, o desemprego explodiu: foi pra 25%.

Isso aconteceu por dois motivos. Primeiro, porque ficou mais barato demitir com a retirada de direitos. Segundo, porque os empresários demitiram trabalhadores com mais direitos e salários melhores para contratar outros com menos direitos e salários menores. Depois, o desemprego caiu para 18% e é isso que Temer comemora e dá como exemplo.

Mas vejamos que empregos são esses:

Atualmente, um em cada quatro trabalhadores na Espanha tem contrato de trabalho de uma semana ou menos. Que tipo de segurança essas pessoas têm? Como sustentar uma família assim?

A renda média anual dos assalariados caiu 800 euros por ano.

Hoje, 13% dos trabalhadores espanhóis que têm contrato de trabalho permanente vivem uma situação de grande pobreza. 24% dos que têm contrato intermitente são muito pobres. Ser muito pobre significa não ter dinheiro para pagar o aluguel, se alimentar, criar os filhos minimamente.

Na Espanha que fez uma reforma trabalhista como a de Temer, trabalhar já não livra as pessoas da pobreza, da fome.

Vejamos mais números da Espanha:

Entre esses trabalhadores muito pobres, que não conseguem morar, se alimentar, 400 mil são homens, 1,1 milhão são mulheres. Como sempre, as mulheres pagam a conta mais alta, sofrem mais.

E os jovens? Antes da reforma trabalhista espanhola, só 7% dos trabalhadores jovens eram muito pobres. Hoje, são 21%. Em cinco anos!!!!.

Dos atendidos pela ONG Cáritas, que são as pessoas mais pobres, 40% estão em lares com trabalhadores.

É esse o futuro que Temer reserva para o Brasil. É o futuro que Alckmin, candidato dos tucanos, reserva para o Brasil, já que ele é um entusiasta da reforma trabalhista. ”