Brasil, quarta-feira, 26 de abril de 2017
Fundação Maurício Grabois
Classe Operária
  • Classe Operária
NÚMEROS ANTERIORES
Notícias

Jandira Feghali: Ver um Brasil melhor

O samba é expressão autêntica de nossas dores e alegrias. Canta-se amores, vitórias e saudades com sentimento único. Até parte de nossa história se embala na harmonia dos pandeiros e cavacos.
Foto: Francisco Proner
Jandira Feghali

 

Mesmo num momento tão difícil para os que lutam no campo progressista, a mudança nos ventos tem tradução lírica. São como os versos de Martinho da Vila de 1974: “Vamos renascer das cinzas / Plantar de novo o arvoredo / Bom calor nas mãos unidas / Na cabeça de um grande enredo”. O cenário está mudando, num enredo de intensa unidade.

Como se sabe, a manifestação do último dia 26, liderada por grupos pró-impeachment de Dilma, foi um fiasco. Capitais vazias e ruas silenciosas daquele domingo gritaram que a sociedade está despertando para o tal abismo cavado nos últimos dois anos. O emagrecimento espontâneo dos protestos do MBL e Vem Pra Rua apontam que o povo não compartilha mais de suas oportunistas pautas, agora materializadas na defesa absoluta de Temer e da reforma da Previdência. Não os enganam mais. E isso expressa a virada no embate político do país.

Em Brasília, a consequência disso é imediata. As próprias mudanças criadas por Temer nos últimos dias dentro do texto da reforma da Previdência mostram sua fragilidade política e ilegitimidade para lidar com assuntos tão estruturantes. Com este horizonte, a derrota é iminente no Congresso Nacional. A noite de votação da terceirização apontou claramente isso: a base aliada do presidente ilegítimo não conseguiu os votos necessários para se aprovar uma PEC, como regimentalmente o texto da desastrosa reforma. O governo definha em suas próprias maldades com o povo.

Em poesia, o Brasil está se reencontrando na defesa de sua História, dos direitos garantidos por nossa Constituição Federal e diversos outros pactos nos últimos 100 anos. A enorme marcha feita no dia 8 de março por trabalhadoras em suas diferentes faces, passando pelo dia 15, por todo o país, em diferentes cidades, se desdobra no próximo dia 31. Será novamente nossa vez de dar o recado a este governo. Seremos muitos, de braços dados, em defesa do país.

A sanha deste governo neoliberal e sem votos será freada em breve. Um golpe contra a democracia nos trouxe até aqui, com direito a reformas absurdas, da Previdência à trabalhista, e um horizonte nublado completamente, tomado por cínicos no poder. Mas, como disse, os ventos sopram em outra direção por agora.

Não foi fácil chegar até aqui, ver a injusta deposição de uma mulher da Presidência e a chegada de um projeto altamente atrasado e conservador ao poder. Contudo, a derrota de Temer chegará. O amanhã será melhor, como na inesquecível magia de Martinho, “Vai amar a liberdade / Só vai cantar em Tom Maior / Vai ter a felicidade de ver um Brasil melhor”. Teremos, sim, meus amigos. Às ruas!



 
Médica, deputada federal (PCdoB/RJ) e vice-líder da oposição




Acessar área filiado Recadastro