Brasil, domingo, 30 de abril de 2017
Fundação Maurício Grabois
Classe Operária
  • Classe Operária
NÚMEROS ANTERIORES
Por ano Linha do tempo por década
1970

12/4/1972, começa a Guerrilha do Araguaia. O Exército, Aeronáutica e PM atacam militantes e moradores da região de Marabá, sul do PA. O PCdoB decide resistir e forma as Forças Guerrilheiras do Araguaia, com apoio da população local. A ditadura proíbe toda notícia sobre a guerrilha. Mas só consegue esmagá-la em 1975, na 3ª campanha de aniquilamento, praticando uma guerra suja, sem fazer prisioneiros. Passadas 3 décadas, o Araguaia avulta como um ponto alto da luta antiditatorial. Osvaldão, Dina Teixeira, Maurício Grabois e tantos outros guerrilheiros são vistos como heróis do PCdoB e do povo brasileiro.

17/3/1973, incorporação da AP. direção nacional da Ação Popular lança o texto Incorporemo-nos ao PC do Brasil. A grande maioria dos seus quadros e militantes atende ao apelo. Fundada em 30/6/1962, por jovens católicos de esquerda, a AP evoluíra para posições revolucionárias e a seguir marxistas, até concluir pela necessidade de reforçar o PCdoB.










16/12/1976, a Chacina da Lapa é a última ação da ditadura visando a eliminação física de seus adversários. Com ajuda de um delator, o DOI-Codi-SP invade uma casa na rua Pio XI, assassina no local Apedro Pomar e Ângelo Arroio, mata na tortura João Batista Drumond e mantém presos até a Anistia 7 outros dirigentes do PCdoB. Num clima onde a oposição começa a ganhar força, a imprensa noticia, o crime choca e comove, dentro e fora do Brasil. A direção do Partido, duramente atingida, funciona até a Anistia com base num núcleo no exílio.

12/3/1978, nasce o Movimento do Custo de Vida (mais tarde Movimento Contra a Carestia), em assembléia de 7 mil em S. Paulo. Comunistas (Ana Martins, Aurélio Peres) e a igreja progressista (dom Angélico) lideram o movimento, um dos mais expressivos da retomada da luta popular de massas.









28/8/1979, Anistia, parcial, restrita e "recíproca", mas ainda assim uma conquista. Os dirigentes comunistas Elza Monnerat, Haroldo Lima e Aldo Arantes deixam o cárcere. Amazonas e Renato Rabelo retornam do exílio (24/11). O PCdoB lança o jornal Tribuna Operária (7/11) e passa a agir cada vez mais abertamente, à medida que a ditadura passa à defensiva.

  •  
Acessar área filiado Recadastro