PCdoB-Sergipe realiza 18ª Conferência Estadual

Durante todo este sábado (28), militantes, membros de diretórios municipais, diretores e filiados do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) em Sergipe reuniram-se em massa na sede do Sindicato dos Bancários para a 18ª Conferência Estadual. Com o tema “Em defesa da nação, da democracia, do desenvolvimento e dos direitos sociais”, o encontro discutiu as teses do 14° Congresso Nacional do PCdoB (que acontecerá de 17 a 19 de novembro em Brasília), além de ampliar o debate sobre o atual cenário político do Brasil e em Sergipe.

Estiveram presentes o presidente do PCdoB em Sergipe, Antônio Bittencourt, o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, o prefeito de Nossa Senhora do Socorro, Padre Inaldo, os dirigentes da Executiva Nacional e Comitê Central do Partido, Nádia Campeão (ex-vice-prefeita da cidade de São Paulo) e Renildo Calheiros (ex-deputado federal por Pernambuco e ex-prefeito de Olinda), representantes de entidades sindicais, movimentos sociais e juventude.

“O diálogo democrático é uma das maiores vertentes do PCdoB. Estivemos nos diretórios municipais conversando com os filiados e a comunidade sobre a necessidade do fortalecimento do partido e de desenvolver políticas públicas que atendam aos interesses da nossa população. Os desafios exigem uma grande reflexão para a construção coletiva que tenha como bússola o fortalecimento da unidade do partido. Nossa meta é chegar a todos os 75 municípios sergipanos”, destacou Antônio Bittencourt, presidente do PCdoB em Sergipe.

Para o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, um dos fundadores do PCdoB no estado, a legenda vem fazendo a diferença nas gestões das maiores cidades do estado Aracaju e Nossa Senhora do Socorro, e explica que é preciso discutir novos projetos e caminhos para que o Brasil volte a crescer.

“É importante que todos possam discutir e debater, e que as ideias inovadoras, renovadoras e progressistas do partido ganhem corpo na sociedade. Vamos fazer um ano de mandato e já começamos a mudar a face da cidade. Encontramos dívidas de milhões a curto e médio prazo, e a cidade sucateada. Colocamos os salários em dia. A limpeza pública está sendo feita, a saúde já retoma e a educação se restabelece. O PCdoB tem o que mostrar, embora vivamos dificuldades imensas. Nosso partido quer fazer mais e melhor”, ressaltou Edvaldo Nogueira, recordando o início da implantação do PCdoB em Sergipe.

“Toda vez que participo de um evento grandioso como esse, lembro de 1982, onde começamos com três pessoas e depois viramos nove. Desses, quatro estiveram aqui hoje: eu, Bosco Rollemberg, Tânia Soares e Ivânia Pereira. Antes, diziam que os membros do PCdoB ‘não cabiam em uma kombi’. Hoje, nosso partido governa as duas maiores cidades de Sergipe e estão sob a governança do PCdoB mais de 40% do eleitorado sergipano e mais de 50% da economia. Temos dois vereadores na capital (Antônio Bittencourt e Isac) e vários espalhados pelos municípios. Na eleição passada, elegemos um deputado estadual que virou prefeito. Nosso partido tem raiz, história, compromisso com a cidade, o estado e o país”, complementou.

Para Padre Inaldo, prefeito de Nossa Senhora do Socorro, “essa Conferência foi muito especial para refletir sobre tudo que acontece em nosso país, onde temos um presidente da república que tira os direitos das pessoas simples e humildes, cada vez mais dificultando a administração dos estados e municípios. Eu e Edvaldo, administramos as maiores cidades de Sergipe. Sem recursos, não podemos fazer obras. O Brasil não tem projeto de desenvolvimento e deixa os prefeitos de mãos atadas. Precisamos dos militantes para avançar o país. Precisamos abrir os olhos dos nosso povo. É hora de somar e não podemos cruzar os braços”.

Na opinião de Ivânia Pereira, presidente do Sindicato dos Bancários, “o PCdoB fez um grande empenho para a realização das conferências municipais para que acontecesse o grande encontro estadual. Nosso desejo é fazer a diferença e a mudança que o país precisa. O povo brasileiro necessita de um novo Brasil. Desejamos a completa emancipação das mulheres e o combate a todo e qualquer tipo de discriminação.”

Balanço

Durante a Conferência, a dirigente Nacional, Nádia Campeão, fez uma análise da situação vivida no cenário político Brasileiro, além da avaliação do desempenho do PCdoB e as diretrizes do partido.

“Tomamos um golpe grave e que pode trazer consequências sérias para o país. Vamos lutar e resistir para modificar. Temos que nos preparar. Nesses últimos dois anos, o Brasil virou de ponta a cabeça. Instalaram um governo ultra radical no sentido do neoliberalismo, das privatizações, da desnacionalização, da quebra de direitos sociais, mas, também, um governo autoritário e está levando o país para o semicolonialismo. Esse atual governo quer um país subdesenvolvido, sem educação e sem emprego, ou seja, um instrumento para fará com que o país ande para traz”, resumiu.

Na síntese de Nádia Campeão, “estão querendo destruir nossos direitos. Com essa bagunça entre legislativo, judiciário e o executivo, a população está desacreditada na política. Estamos vivendo momentos instáveis e perigosos. A raiva contra a cultura, quando a liberdade de expressão, faz parte de um cenário obscuro. Queremos mudança. Precisamos organizar uma frente ampla no Brasil para retomarmos o caminho do desenvolvimento. Vamos nos unir e nos fortalecer.”

O dirigente Renildo Calheiros concorda. “Apesar do momento instável, não vamos desistir. Queremos que essa frente se expresse na eleição de 2018. Nosso objetivo é estimular o debate de caminhos e que seja o instrumento da unidade para construir um âmbito maior. Vamos organizar a resistência e trazer de volta a industrialização do país, a produção, o trabalho, direitos democráticos e sociais. O PCdoB sempre lutou por um país melhor e mais democrático. Assim caminharemos”, pontuou.

Fonte: PCdoB-SE