PCdoB-Amazonas realiza sua 19ª Conferência Estadual

Nova direção do Comitê Estadual do PCdoB-AM foi eleita neste sábado.

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) do Amazonas realizou neste sábado (28), sua 19ª Conferência Estadual, no auditório da Escola Legislativa do Amazonas (Aleam). A conferência teve a participação do secretário nacional de Juventude e Movimentos Sociais, André Tokarski.

No encontro, estiveram presentes cerca de 190 delegados e mais de 400 participantes, dentre eles, lideranças políticas, estudantis, trabalhistas e de movimentos sociais.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas no palco, multidão e área interna

Durante a conferência, foi debatida a tese do Congresso que aponta para a saída da crise no Amazonas e no Brasil,  através de um projeto de desenvolvimento nacional e a construção de uma Frente Ampla envolvendo diversos setores da sociedade como saída para a crise.

A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e área interna

Também foi debatido a importância do fortalecimento do PCdoB no movimento comunitário, juventude e o movimento sindical do Amazonas. “O partido segue firme e unido para enfrentar os ataques do governo ilegítimo e entreguista de Temer e seus aliados”.

Eleição da nova direção

Com a presença de pessoas vindas dos lugares mais recônditos do estado, como Atalaya do Norte, no alto Solimões, e de diversas regiões do baixo Amazonas e do alto Juruá, o PCdoB, elegeu o seu Comitê Estadual, com a reeleição de Eron Bezerra, presidente e Lúcia Antony, vice-presidente.

Em seu discurso de encerramento, o presidente eleito, Eron Bezerra, disse que sua lembrança era de um tempo em que seus companheiros vendiam o jornal Tribuna Operária e o partido realizava comícios enormes num carro sem som. Citou isso só para lembrar que a história do partido é uma história de amor aos desafios sempre superados e comparou a bravura com que esta conferência se comportou à dimensão do tamanho da luta que o partido sempre enfrentou em sua existência.

“É verdade que a nossa resistência vai continuar a aumentar cada vez mais, e a única coisa que explica essa resistência é a compreensão da questão da luta de classes”. Quanto à estratégia para avançar no cenário difuso da atual política brasileira, o presidente eleito do partido afirma que não negar que o cenário aponta para uma acirrada luta de classes é uma condição fundamental. Estivemos na beira do governo, mas esquecemos que a luta de classes exigia medidas estruturantes”.

Para ele, ver a conferência lotada depois de um dia inteiro de debate é algo revigorante. “Sabemos quantas provações já passamos ou vamos passar, mas para expressar a força do PCdoB, vou lembrar de uma época em que cabíamos todos num fusca e, hoje, são necessários centenas de caminhões e ônibus para transportar o PCdoB. Nos agigantamos e esta vitalidade vem de uma intensa ação politica”.

“Entidade que não luta, morre”, diz o presidente, mas, é inegável que o quase centenário PCdoB já é parte intrínseca da história do Brasil. Para ele, a consistência na luta é compreender porque se está lutando. “Assim se vence na adversidade, com a convicção de que se pode perder uma batalha, mas não desistir de lutar. Se a gente não compreender isso, não tem como avançar”

Com informações do PCdoB-AM